Incontinência Urinária - por que não é normal?


incontinencia-urinaria

Você não perde xixi quando faz um esforço?

Quando pega um peso? Espirra?

Ou quando está apertada, corre para o banheiro e molha um pouquinho a calcinha?

Conhece alguém que faz isso?

Mas logo pensa; “Ah, normal, quem nunca?

Vamos lá desmistificar. A perda involuntária (ou seja, sem querer) de xixi NÃO É NORMAL. Nem em pessoas mais velhas, nem em pessoas mais novas.

Por que não é normal se acontece com tanta gente e com tanta frequência?

Não é normal, pois nosso organismo foi construído para conter a urina na bexiga e esvaziá-la quando quiser, decidir e não apenas quando precisar.

Uma vez adquirida a capacidade de armazenar urina (o que a gente adquire lá na infância), a decisão de eliminá-la envolve percepção de enchimento completo da bexiga (cerca de 300ml até 500ml), decisão de esvaziá-la e decisão social de quando é apropriado iniciar a micção.

Vamos entender um pouco mais sobre isso?

O controle da urina, controle da micção, pode parecer simples (vontade, decisão e esvaziamento), mas é complexo e apresenta vários níveis de regulação.

A coordenação das atividades da bexiga e do esfíncter da uretra (que o que fecha a uretra, final dela) envolve complexa interação entre os sistemas nervosos central e periférico (que são os nervos) e os fatores regulatórios locais sendo esta interação mediada por vários neurotransmissores.

Essa sintonia e integridade das estruturas são fundamentais para o gerenciamento correto dessas funções.

Essa coordenação nervosa (da bexiga e do esfíncter) tem inervação parassimpática, simpática e somática.

A inervação simpática excita a uretra (contraindo) e relaxam as células musculares do detrusor (da bexiga).