Em que momento realizar o congelamento de óvulos?




Artigo de: Dra Rebecca Pontelo Barboza - ceferp.com.br


Vivemos uma época muito diferente dos nossos pais e avós, e essa modernidade trouxe muitos avanços – inclusive para as mulheres, que agora são atribuídas de muitas funções. Com a ênfase na formação acadêmica e profissional e no crescimento da carreira, muitas delas adiaram o sonho da maternidade.


Porém, apesar de todas as alterações na sociedade, ainda não foram inventadas tecnologias que podem parar o ritmo do envelhecimento.


Para não abrir mão da maternidade ou para reduzir os riscos para o feto de uma gravidez tardia, muitas mulheres têm investido no congelamento de óvulos, uma técnica segura e que dá mais liberdade para planejar a sua gravidez. Essa técnica tem estado cada vez mais em evidência, principalmente após as celebridades recorrerem a ela e a tornarem conhecida do público geral.


E o que as mulheres que recorrem a esse tratamento têm em comum?


A vontade de serem mães e a falta de um parceiro no momento ou até da possibilidade de pararem as suas carreiras para uma gestação. O congelamento de óvulos também é uma possibilidade interessante para aquelas mulheres que irão fazer tratamento contra o câncer ou sofrem com a menopausa precoce na família. Porém, independentemente dos motivos, a principal dica é se preparar, já que o procedimento é indicado para mulheres de até 35 anos. Entre os 35 e os 40 anos, existem chances de a mulher engravidar, contudo a qualidade e quantidade dos óvulos cai de forma mais acelerada. A partir dos 40 anos o procedimento é pouco recomendado, já que existem menores chances de gravidez e maiores riscos para o bebê, como as síndromes genéticas.


Para iniciá-lo, a mulher é submetida a um processo chamado “estimulação ovariana controlada” com monitorização de resposta através de exames de ultrassonografia transvaginal (a cada 2 ou 3 dias). Quando os folículos atingirem tamanhos adequados, a maturação folicular é induzida e, então, é marcada a coleta.


O procedimento de coleta dura em torno de 20 minutos e é feito com uma agulha guiada pelo ultrassom transvaginal, com a mulher sob sedação. Após a retirada dos óvulos, o material é enviado ao laboratório, que analisará um por um. Na sequência, esses óvulos passam pelo procedimento de congelamento e são estocados em botijões de nitrogênio líquido; lá, permanecem até quando a mulher desejar usá-los. Os óvulos congelados não têm data de validade. Hoje as técnicas estão muito avançadas e permitem manter os óvulos congelados por um período indeterminado.

Como é a gravidez com os óvulos descongelados?


Para que a mulher engravide, os óvulos congelados precisarão passar pelo descongelamento para fazer a fertilização in vitro. É utilizado o sêmen do parceiro ou de um banco de sêmen, caso seja uma produção independente.


O processo de fertilização in vitro com óvulos descongelados nada difere do procedimento com óvulos a fresco, e após a transferência ao útero, o embrião se comporta exatamente igual a uma gravidez espontânea.

O procedimento é bastante seguro tanto para a mulher como para o bebê. O risco de problemas genéticos, má formação ou outras doenças é igual tanto para os bebês nascidos de óvulos congelados como os de gravidez espontânea.


Depois de ler este conteúdo, você acredita que o congelamento de óvulos é o mais indicado para o seu caso? Entre em contato e agende sua consulta com um dos nossos especialistas!

Conheça mais sobre o CEFERP no site ceferp.com.br