Como curtir (bem) as viagens de férias durante a gravidez



Durante a gravidez, uma viagem pode ser aquele último momento de curtir só o casal, ou mimar um pouquinho os filhos mais velhos ou até de ir fazer o enxoval no nenê num lugar mais barato, não é mesmo?

Aproveite e tire um tempinho para vocês, que com certeza merecem!

Riscos durante a viagem

Mas, minhas queridas, viajar na gravidez pode apresentar riscos para a mãe e para o feto.

Hãm? Como assim? Risco? De quê?

Tá, vamos lá. Vou citar alguns, riscos de:

  • inchar, ficar muito tempo numa posição e ter a circulação dificultada

  • sair da rotina e não se alimentar direito ou não beber líquidos direito e desidratar

  • sofrer alguma intoxicação ou indigestão por alimentos que não são corriqueiros seus

  • pegar muito peso da mala

  • fazer muito esforço, muita atividade que não está acostumada como caminhar demais e no sol...

Parece uma questão de bom senso, não parece? Mas não é!

Muitas grávidas não sentem nada durante a gravidez inteira e quando viajam nem passa na cabeça que na gravidez existem alguns cuidados a serem tomados, já que a vida delas está normalíssima.

Mas sim! Cuidados devem ser tomados e o planejamento tanto da viagem como dos passeios e do socorro caso algo aconteça é importantíssimo.

O primeiro passo é avisar o seu obstetra da sua intenção de viajar.

Ele será o primeiro a dizer a você se há ou não impossibilidade para tal.

Diga a ele:

  • para onde pretende ir,

  • como pretende ir,

  • quando pretende ir,

  • quanto tempo pretende ficar e

  • o que vai fazer lá

Depois da “liberação” dele, agora você pode planejar direitinho a viagem, nos mínimos detalhes.

viagem-na-gravidez-daniellaleiros

Primeiro passo do sucesso da gestante "o planejamento da viagem"

O primeiro passo é verificar se para onde você está indo tem algum hospital, médico obstetra, a distância de onde você pretende ficar, e para ir ao hospital e se lá aceitam o seu convênio médico.

Escolha locais onde você não precise ficar muito afastada dos centros urbanos. Primeiro pelo socorro mais rápido e segundo pela possibilidade de encontrar atendimento.

Existem lugares (fora do Brasil também, viu?) que o atendimento ou o local de atendimento demoram.