Baby Brain - sua cabeça ficou um pouco lenta ou você ficou esquecida na gravidez?

Já ouviu falar sobre Baby Brain?




Durante a gravidez, sabemos que há mudanças importantes no corpo das mulheres como o aumento de peso, os quadris que se alargam, as mamas aumentam.

Mas, e a mente?


Grávidas sofrem perda de memória de curto prazo. As grávidas ou puérperas (recém paridas) podem esquecer compromissos, onde deixaram determinado objeto, se desligaram o fogão, entre outras milhares de coisas.

Já ouviu falar sobre isso?

A gravidez ou maternidade podem prejudicar a memória e a capacidade de pensar feminina?

Algumas mulheres costumam lamentar que, ao longo da gestação, se sentem mais distraídas, com a memória fraca e têm dificuldades de concentração.

Então sim, pode prejudicar.


Cerca de 80% das grávidas têm alterações da função cognitiva!

Tá. Que é comum na gravidez todo mundo sabe.

Mas isso não é comprovado pela ciência, apenas pela experiência. Então, pesquisadores tem tentado comprovar esses lapsos de memória na gravidez.


Mas será que como o corpo, o cérebro também muda durante a gravidez?

Sim também. O cérebro das grávidas muda (em função e estrutura). E os pesquisadores chamam estas mudanças de “baby brain”.


Até há pouco tempo estas alterações de memória eram tidas como um mito da gravidez, mas hoje são cada vez mais levadas a sério.

O baby brain existe!


Foi publicado este ano um estudo no Medical Journal of Australia onde mulheres grávidas e não grávidas realizaram uma série de tarefas, inclusive testes de memória.

Conclusão: as grávidas tiveram piores resultados nos testes de atenção, tomada de decisões, planejamento e memória.


Esses pesquisadores fizeram mais de 20 estudos sobre o tema. E mostraram que as gestantes apresentam declínio cognitivo, que pode se manifestar com os tais esquecimentos ou dificuldade para raciocinar.

E que o impacto era maior no terceiro trimestre.

Essas mudanças acontecem e podem ser provocadas melas mudanças hormonais e também pelos movimentos do feto dentro do útero.


Além disso, algumas mulheres se queixam de ficar mais irritadas ou percebem que o humor está oscilando com frequência na gravidez. Mais uma vez, a progesterona é um dos responsáveis por essa alteração, já que o aumento deste hormônio no início da gestação eleva a sonolência.

E no terceiro trimestre, a qualidade de sono piora muito, devido ao desconforto da posição para dormir, com piora da sensação de falta de ar, e o aumento da frequência urinaria durante a noite. Isso tudo pode causar diminuição dos reflexos, sonolência, dificuldade de concentração, e diminuição da fixação da memória, oscilação de humor e irritabilidade.


Mas tem tudo a ver com a mudança física no cérebro.

Há uma diminuição no volume de substância cinzenta no cérebro da mulher durante a gestação.

A substância cinzenta carrega os neurônios e atua em funções cerebrais importantes, como coordenar impulsos elétricos, atividade muscular e processamento de informações.


O cérebro é demasiadamente sensível aos hormônios que aumentam durante a gestação. Além disso, tem o estresse psicológico e o metabólico do organismo, tudo para gerar, nutrir o bebê e a privação de sono.

Mas é um “transtorno” temporário.


E o impacto disso é leve e não necessariamente sentido por todas as mulheres.

Um fato interessante, cujas razões ainda não foram esclarecidas, é que algumas pesquisas têm mostrado que grávidas de meninas são, em média, mais esquecidas do que aquelas que estão esperando meninos.

Mas nada comprovado ainda, isso é empírico.


Não há um impacto importante no dia-a-dia (por exemplo interferência no trabalho), mas a grávida nota que as suas capacidades estão diferentes sim.
Essa redução da substância cinzenta, em certas áreas não é de todo mau.

Há uma reorganização neuronal nessas áreas cerebrais, dando-nos a capacidade tão característica da mãe multitarefa, inclusive para estabelecer uma relação saudável com o bebê, tendo a capacidade de descodificar as necessidades dele.


Pesquisadores da Universidade de Londres descobriram que grávidas apresentam aumento de atividade na área do cérebro relacionada com habilidades emocionais.


Putz! Habilidades emocionais?


O que isso quer dizer?

Que a mulher se torna mais concentradas nas necessidades de seu bebê e tornam-se menos focadas em suas próprias coisas, podendo esquecer tudo. Desde a gravidez até no pós-parto.

Mais pra dentro, mais preocupadas e ligadas com as sensações do próprio corpo e do bebê. Esses lapsos de memória servem parar termos mais ligação com o nosso bebê e cuidar dele com mais “foco”.


Ficar grávida é entrar num novo mundo, não é?


A gente pensa: o que posso comer, o que devo vestir, como cuidar do bebê?

Tenho que usar cremes? Qual o carrinho ideal? E muito, muito mais.


Tem também a máxima de que todo mundo adora dar palpites e opiniões, comentar experiências de parto, falar das noites sem dormir, do quanto devemos engordar.... Um saco.


O baby brain é um “foda-se!” natural, fisiológico que Deus colocou nas mulheres para que elas se concentrem no novo ser que estão formando.

E calma, tudo volta ao normal depois do parto, as alterações tendem a ir regredindo.